sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Viva o Instituto Inhotim, em Brumadinho !

Instituto Inhotim - Galeria Adriana Varejão, que parece suspensa no ar
Às vezes, gosto de fazer neste blog um ou outro post que não tem nada a ver com o mundo dos vinhos. É uma forma de compartilhar o que vejo por aí com meu gigantesco universo de leitores (já são mais de 2, pelo que sei, sem contar a Tereza).

Então vamos lá. As tristes notícias sobre as enchentes em Minas Gerais, neste começo de ano, trouxeram às manchetes o nome da cidade de Brumadinho, ali perto de Belo Horizonte. Pelo que li nos jornais, Brumadinho chegou a ficar alguns dias totalmente isolada, já que as chuvas inundaram ou destruíram as estradas ao redor.

E eu me lembrei de que estive em Brumadinho no final do ano passado .. Em outubro de 2011, visitamos a cidade - minúscula, sem graça, na periferia de BH. Chega-se a ela por um caminho horrível, esburacado e cheio de curvas.

E o que há lá pra ver, afinal ? O que é que nós fomos fazer em local tão pouco atraente ?!?

Meus amigos, em Brumadinho fica aquele que é simplesmente o mais espetacular museu de arte contemporânea que eu já tive oportunidade de visitar (e olhe que não foram poucos os que já conheci por esse mundão afora ...)
De Lama Lâmina, do artista americano Matthew Barney

Estou falando do Instituto Inhotim. Trata-se de um parque de mais de 90 hectares, com um paisagismo maravilhoso, um verdadeiro jardim botânico que, só de palmeiras, tem mais de 1.400 espécies.  São parques e alamedas sem fim, ladeadas por uma vegetação riquíssima e muito bem cuidada. Ao longo de todos os caminhos, há carrinhos elétricos pilotados por funcionários que prontamente se oferecem para levar os turistas para onde eles desejarem, dentro do parque.

Espalhados pelo parque lindíssimo, há cerca de 500 obras de arte contemporâneas, de mais de 100 artistas. São nomes como Hélio Oiticica, Adriana Varejão, Doug Aitken, Matthew Barney, Tunga, Chris Burden. Se você colocar um desses nomes aí no seu Google vai encontrar coisas bem legais feitas por eles, espalhadas pelo mundo.
Beam Drop, do artista americano Chris Burden

Pois lá no Inhotim as obras estão maravilhosamente rodeadas pelo parque, e o impacto que elas causam na gente é difícil de ser explicado em palavras. Só indo lá pra ver. Pra ficar num lugar-comum bem manjado, vou dizer apenas isto : é de tirar o fôlego.

Ao lado de cada obra de arte, há sempre um ou mais estagiários, bem-informados e solícitos, prontos a darem explicações sobre a obra, o artista, o parque.

O museu foi criado por um empreendedor particular, o Bernardo Paz, um empresário de família riquíssima que gostava de colecionar obras de arte e, lá um belo dia, decidiu abrir sua magnífica coleção para a visitação pública.

Com toda a certeza, trata-se do mais espetacular museu do país, e seguramente, um dos mais espetaculares do mundo - e a gente mal fica sabendo que uma maravilha dessas está aqui no Brasil, disponível para todo mundo, por 20 reais o ingresso ...

Espero que as benditas enchentes do verão não tenham afetado nada por lá !

O Sonic Pavillion, de Doug Aitken - microfones a centenas de metros de
profundidade revelam o "som da terra"

9 comentários:

Anônimo disse...

A minúscula e sem graça Brumadinho, tem 34.000 habitantes. Maior que a maioria dos municípios Brasileiros. É a sétima renda per capita do estado, uma das maiores arrecadações, um dos maiores produtores de minério de Minas,tem a maior fonte de água mineral desse país e responsável por 50% da água potável de Belo Horizonte desde a década 1980 (A barragem da COPASA é 11 vezes maior que a lagoa da Pampulha),tem reservas e parque ecológico muito importantes na preservação e pesquisa. Tem o primeiro condomínio fechado de Belo Horizonte criado ainda na década de 1970. Hoje são mais de 25, onde moram, trabalham, se divertem e descansam, formadores de opinião, empresários importantes, artistas plásticos, magistrados, etc.
Brumadinho tem história, com quilombos, igrejas tão antigas quanto as de Ouro Preto, o “Forte de Brumadinho”, turismo rural e de aventura, pousadas com comida Francesa e Árabe etc. Há muito mais que você não sabe e pela péssima impressão que teve pode até achar que estou mentindo. Não o culpo, é verdade sobre o acesso ruim,uma cidade super comum, sem planejamento,de gente humilde, muita história e riquezas, e nem tão sem graça como imagina. Muitas coisas deixam de acontecer, como as deficiências que você relatou. Não por causa de seu Povo, mas pela triste realidade política desse país. Não moro em Brumadinho, mas me entristece ver que hoje, muitos estrangeiros são mais exatos e delicados como as palavras ao falarem de Brumadinho, e o irmão brasileiro nem tanto. Espero que more em um condomínio maravilhoso e que ande de avião!
Brumadinho sempre ficou escondida e Inhotim hoje chama a atenção para si e para cidade. Prova de que quando se quer, pode-se mudar as coisas. E muitos brasileiros que escrevem sobre Brumadinho reduzem essa pequena cidade à quase insignificância, e como se ela não merecesse Inhotim. Ele não está lá por acaso. Talvez enxergaram um potencial que você não teve oportunidade de ver...

Nivaldo Sanches disse...

Caro amigo Anônimo, minha intenção não foi avacalhar Brumadinho, mas sim - ao contrário ! - enaltecer o maravilhoso museu de Inhotim.

Meu olhar sobre a cidade foi o olhar do turista - e reafirmo que, sob o ponto de vita do turista, a cidade não tem atrativos. Se não fosse a existência do museu de Inhotim,eu, com toda a franqueza, não recomendaria uma visita à cidade.

Isso não quer dizer que a cidade não tem importância, mas sim que não tem atrativos turísticos. O Guia Quatro Rodas, por exemplo, não menciona nenhuma outra atração turística na cidade, além de Inhotim.Aliás, nem na própria cidade vi placas ou qualquer indicação desses pontos.

Acho interessante saber, por exemplo, que a cidade tem 34.000 habitantes, ou que vem de Brumadinho 50 % da água potável de Belo Horizonte - mas, convenhamos, isso não é nenhum atrativo turístico ...

É evidente que não tenho nada contra a cidade, mas reafirmo meu ponto-de-vista : como turista, só encontrei por lá o museu de Inhotim - e achei-o absolutamente deslumbrante !

Abraços

Anônimo disse...

Com toda franqueza, não discordei de vc em momento algum, até confirmei. Quando eu disse que " hoje Inhotim chama a atenção pra si e para a cidade " é porque outras atrações estão sendo descobertas e não estão no guia 4 rodas. Não coloquei água como ponto turístico, mas citei outros. Outros turistas descobriram e escreveram com boa impressão, e recomendam. Vc com tantos seguidores somente poderia ser mais delicado e expressaria melhor a realidade, dando oportunidade à eles, quem sabe, de pesquisar sobre o assunto. Agradeço por ter publicado meu comentário e respondê-lo.

José Bones disse...

Nivaldo
Voce tem razão. Brumadinho, a sede, é mesmo muito sem graça. Mas o município, o interior, é tão sensacional quanto o Inhotim. Da próxima vez que voce vier conheça também a região da Serra da Moeda. Voce vai ficar encantado com a beleza cênica e com a gastronomia. Voce que gosta de vinhos vai se surpreender. E repita a visita ao Inhotim porque cada vez que se vai lá encontra-se uma novidade fantástica. Infelizmente, a mineração sem controle (das autoridades) e sem responsabilidade (das empresas) está enfeiando cada vez mais nosso lugar. Mas ainda temos muitas surpresas boas, mineiramente escondidas.
José Bones, bones@gold.com.br, (31) 9644-5948.

Nivaldo Sanches disse...

Obrigado pelos comentários, José ! Fique certo que a gente pretende voltar a Brumadinho outras vezes, tamanho foi o impacto que nos causou o museu de Inhotim.
Quando voltar, prometo seguir seu conselho e explorar os arredores, inclusive a Serra da Moeda.

Abraços, "apareça" mais vezes por aqui !

CLUBE DA BENGALA disse...

NIVALDO, FELIZ 2012!
Fiquei curiosa em conhecer Brumadinho e mais especificamente o museu que tanto lhe ecantou. Como sei que você é uma pessoa muito viajada e conhece museus e mais museus, fiquei mais curinhosa ainda. Gosto de vinho! E gostaria de saber ecolher melhor um vinho para degustá-lo com os amigos, Espero você em Limoeiro para aprender com você. Estive ém Gramada na vinícola MIOLO e em Montevidéu na SOUZA, são interessantes e bonitas. Abraços para todos daí , Esperamos voc~es no 4º encontro da família.
Iolanda

Nivaldo Sanches disse...

Olá, Iolanda, seja muito bom vinda ao nosso blog !
Fico feliz de ter comentários de uma digna representante de Limoeiro do Norte !!
Você - que também é muito viajada - certamente iria gostar muito de Inhotim, como nós gostamos, tenho certeza !

Quem sabe a gente não consegue visitar vocês, em breve ? Já faz quase dezoito anos que eu estive aí - como o tempa passa !!

Beijos a todos !

Anônimo disse...

Nivaldão

Eu faço parte do gupo e 2 + mais a patroa que lê o seu blog.

Um abração
Alemão

Nivaldo Sanches disse...

Valeu, Alemão & Rita, sejam muitíssimo bem-vindos !!